A longevidade, com humor e dança

Maratona Digital da Longevidade Expo+Fórum recebe, a convite do Sesc-SP, as mulheres que apresentam o Avós da Razão, canal de Youtube em que compartilham suas opiniões e experiências ‘sem papas na língua’ e o Mestre Caçapava

Para fechar a programação de conteúdo da Maratona Digital da Longevidade Expo+Fórum, foram escolhidos dois painéis com expressões de arte e cultura. Sob curadoria do  Sesc-SP, aconteceu um bate-papo com as Avós da Razão, que vêm ganhando destaque com vídeos nos quais respondem perguntas enviadas pelo público de todas as idades, com conselhos e opiniões dos mais diversos assuntos, sem medo de falar a verdade, no canal do Youtube.

O assistente técnico da Gerência de Estudos e Programas Sociais (GEPROS), Gustavo Nogueira foi quem mediou a conversa com as Avós da Razão – Sônia Bonetti, 83+, Helena Wiechmann, 93+, e a caçula da turma, Gilda Bandeira de Mello, 79+. “A ideia e o formato do Avós da Razão já nasceram prontos, porque somos amigas há muitos anos e sempre tivemos o hábito de nos reunir no boteco para conversar”, explicou Sônia. Já Helena revelou que os vídeos são espontâneos, uma vez que elas só fazem a leitura da pergunta quando já estão gravando e, por isso, as respostas são todas no improviso.

Sobre a audiência que acompanha o canal no Youtube, Gilda diz que a faixa etária do público é ampla e que muitos jovens mandam perguntas com curiosidades sobre a vida delas e de questões que vão desde política ao carnaval em épocas passadas. “A gente tá virando a enciclopédia Barsa da mocidade”, brincou. Já entre o público mais velho, um tema que é recorrente, segundo as Avós da Razão, são perguntas sobre a sexualidade na longevidade, o que elas respondem sem ‘meias palavras’. “Não tem nada que seja tabu“, afirmou Helena

Quanto ao preconceito pela idade, Sônia disse que infelizmente isso é uma mácula carregada por todo o ser humano. “Vejo o preconceito de diferentes formas, com aquelas máximas já prontas como o velho é fofo, é bonitinho, não sabe fazer nada ou, então, é maldoso e crítico”, revelou. Ela admitiu sentir-se particularmente emocionada quando, do outro lado, está uma pessoa solitária e desprotegida. “É a angústia de perceber que há tantas pessoas com idade, como nós, sem nenhum tipo de continência”. 

Gilda deu seu recado para os longevos: “Saiam da cristaleira e deixem de ser bibelôs. Encontrem atividades que gostam de fazer, exercitem a autonomia, encontrem amigos. Vivam!”. 

Para finalizar, o recado das Avós da Razão para o público longevo é que vivam suas vidas sem medo. Elas também criticaram a nova Classificação Internacional de Doenças (CID) proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), por meio da Assembleia Mundial de Saúde, que pretende categorizar, a partir de 1 de Janeiro de 2022, a velhice como doença. “Mas, quem pode ter uma ideia dessas? Sou velha, não estou doente!”, finalizou Gilda.