DesConferência LAB60+ 2019 tratou do empreendedorismo no universo sênior

DesConferência LAB60+ 2019 tratou do empreendedorismo no universo sênior

30 de Setembro de 2019 às 18:11

Quando o assunto é empreendedorismo, o protagonismo dos 50+ passa longe da realidade. Mas, esse quadro pode e deve ser modificado, e diversas são as ações e iniciativas neste sentido. Este foi o mote do segundo bloco da DesConferência LAB60+ 2019, evento realizado na parte da tarde do primeiro dia da Longevidade Expo+Fórum.

Simone Cornelsen, diretora executiva do Instituto LAB60+, abriu os trabalhos falando da necessidade de se quebrar paradigmas equivocados e arcaicos sobre os longevos. “Estamos aqui para inspirar este público a inovar e ser protagonista, valendo-se de sua experiência e conhecimento acumulados”, ponderou.

O primeiro painel, “A Jornada do Empreendedorismo Sênior”, comandado por Ismael Rocha (Nextt49) e Ricardo Seara Neto (Laboral), introduziu o tema e deu um panorama geral da iniciativa. “Queremos construir a maior comunidade de empreendedores sênior do Brasil, cada qual com seu repertório próprio e único”, detalhou Ismael. Para Ricardo, o projeto pode ser traduzido como uma trilha em que cada pessoa escolhe o estágio para entrar, de acordo com seu perfil. “Isso vale para os que nunca empreenderam e também para os que já têm negócios próprios”, complementa.

O painel seguinte, “Lançamento da Plataforma de Empreendedorismo Sênior”, foi liderado por Aline Calefi (PRME Chapter Brazil/Sesi-PR). Ela revelou a importância dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos e tabulados pela entidade e ressaltou que a conexão intergeracional é vital para o sucesso do empreendimento. “É importante lembrar que o longevo pode atuar também como consultor, se assim preferir”, revelou.

Antônio Leitão (Instituto de Longevidade Mongeral Aegon), Luís Eduardo Mercês (Itaú Viver Mais) e Maria Enaura Vilela Barricelli (Conselho Municipal do Idoso de São Paulo) estiveram à frente do painel “Participação de Seniores nas Políticas Públicas para Longevidade”. Antônio ressaltou a importância da criação de métricas e balizadores de facilitadores de políticas públicas na área. “São fatores fundamentais para as tomadas de decisão”, completou. Luís Eduardo alertou para a necessidade de apoiar iniciativas inovadoras e que tragam resultados práticos. A mediadora do painel, Maria Enaura, lembrou que parte do valor pago no IR pode ser direcionado a iniciativas que tenham foco nos longevos.

Um alerta sobre a precariedade e falta de políticas públicas adequadas para um contingente enorme de longevos foi o tema do painel “Oportunidades para Empreendedores Sociais Voltados à Longevidade. Lançamento de Programa de Pré-Aceleração LAB60+Semente Oré”, compartilhado por Monica Rosales (Associação São Joaquim/Instituto LAB60+), Simone Cornelsen (Instituto LAB60+) e Lia Nasser Marques (Associação São Joaquim/Embaixadora LAB60+ Carapicuíba). “A realidade dos mais carentes, sem autonomia, precisa ser objeto de atenção. Em 2050, 2/3 das pessoas entre 60 e 65 anos não necessitarão de auxílio nas suas tarefas diárias. E não há estrutura prevista para isto”, ressaltou Monica. Lia relatou detalhes da experiência do projeto em Carapicuíba, que trouxe resultados efetivos para os envolvidos.

Ao final, Sérgio Serapião (Labora/Instituto LAB60+) juntou a Monica e a Simone no palco para reforçar o convite a todos os presentes para o engajamento nas iniciativas que estão em andamento e, também, na proposição de novas ações na área de empreendedorismo vinculado ao universo sênior.