Grandes histórias e ‘good vibes’ no Talk Show do Congresso Unimed

Grandes histórias e ‘good vibes’ no Talk Show do Congresso Unimed

14 de Outubro de 2019 às 06:00

Uma verdadeira aula de otimismo, boas histórias e vibrações positivas. Assim pode ser definida a atividade que encerrou o ciclo de palestras do Congresso Brasileiro da Longevidade Seguros Unimed. O Talk Show – com a mediação do ator, autor e diretor de teatro Odilon Wagner (64 anos) – teve a participação dos renomados atores Laura Cardoso (92 anos), Ary Fontoura (86 anos) e Eva Wilma (85 anos). Eles falaram sobre suas trajetórias profissionais, os desafios da carreira, as lições aprendidas e as perspectivas para o futuro.

A atriz Laura Cardoso, perguntada logo no início do evento sobre a motivação para seguir trabalhando e ativa, foi taxativa. “A vida é um grande presente por si só. E ela o é para quem sabe amar”.

Segundo Eva Wilma, o contato direto com o público, seja ele da TV, cinema ou teatro, mantém acessa a chama do ator. “Doamo-nos à profissão, com estudo e sabedoria. E esse envolvimento com o público nos impulsiona”, completou.

Ary Fontoura lembrou seu personagem na peça “Rei Lear” para traduzir seu sentimento sobre o passar dos anos. “É preciso envelhecer com sabedoria, cuidando da saúde e dos amores”, argumentou, lembrando que ele vem de uma família de longevos. “Tenho 86 anos e sou o caçula da família. Tenho irmãos de 88 e 92 anos ainda em atividade”, divertiu-se.

Questionados sobre o amor e o sexo na idade avançada, os atores foram unânimes ao afirmar que as limitações físicas podem dificultar, mas nunca impedir de a pessoa se apaixonar. “E também descobrimos novos tipos de paixões, não mais só em relação a pessoas, mas também a culturas e lugares”, destacou Fontoura.

Para o ator, a carreira colaborou para sua velhice saudável e ativa. “Decorar textos, aprender sobre novos personagens e culturas, sempre nos mantêm em movimento. E isso ajuda na manutenção da saúde mental”, detalhou. As atrizes lembraram os desafios nos primórdios da TV, quando muitos programas eram apresentados ao vivo. “Eram horas e horas de ensaio para que tudo saísse dentro do previsto”, recordou Eva. “Foi uma escola que nos deu muita agilidade e pensamento rápido para todas as situações”, reforçou Laura.

O apoio incondicional à cultura como agente transformador da sociedade foi outro tema com o qual todos os participantes concordaram, incluindo Odilon Wagner. “Educação e cultura são fundamentais para a mudança e transformação do Brasil para um país melhor, mais justo e solidário”, disse Eva.

Apesar da idade, Laura Cardoso, Eva Wilma e Ary Fontoura não dão mostras de quererem se aposentar tão cedo. Todos seguem ativos e em busca de novos projetos que os desafiem a se reinventar e viver a vida intensamente a cada minuto. Uma verdadeira lição de vida dada aos que tiveram o privilégio de participar deste encontro inesquecível.