Kirk Douglas : 103 anos de Vida e Arte

Kirk Douglas, o grande ator, nos deixou aos 103 anos na quarta- feira, 05 de fevereiro de 2020. A estrela foi brilhar em outros céus e já deixou saudade.

Michael Douglas, seu filho, postou no facebook: “É com muita tristeza que eu e meus irmãos anunciamos que Kirk Douglas nos deixou hoje aos 103 anos. Para o mundo, ele era uma lenda, um ator na era de ouro do cinema (…) mas para mim e meus irmãos, Joel e Peter, ele era simplesmente um pai. Kirk teve uma vida boa e deixa para trás os filmes pelas próximas gerações, e a memória de um filantropo reconhecido que trabalhou pelo bem público e pela paz mundial”.

 

O falecimento do ator comoveu seus fãs em todo mundo, em especial na França onde era muito amado. A França entendeu Kirk, tanto quanto Kirk sempre se sentiu em sintonia com o país. Fluente em francês, ele sempre dizia:”As pessoas aqui me amam mais que os Estados Unidos”.

Os principais jornais franceses: Le Figaro e Le Parisién homenagearam Kirk Douglas em suas páginas principais, aqui resumidas (links na íntegra no final do texto)

Monstro sagrado de Hollywood

Kirk Douglas pode ser considerado um dos últimos gigantes de Hollywood. Encarnou a imagem do herói americano, uma lenda no auge de seu personagem de Spartacus, que ele interpretou no filme de Stanley Kubrick.

Da covinha famosa ao olhar penetrante e corpo musculoso, Kirk Douglas nasceu com Hollywood, cresceu em preto e branco, lutou em cores; ele foi o último herói da era de ouro de Hollywood.

No entanto, nada o predestinou a se tornar uma lenda da sétima arte. “Ainda estou indo em frente porque sei de onde
venho”, confessou este filho de uma família de imigrantes de origem russa, que fugiu dos pogroms. Nascido em 9 de dezembro de 1916, Issur Danielovitch Demsky cresceu na Amsterdam Avenue, em Nova York. Com suas seis irmãs, ele conheceu injustiça e miséria desde cedo. Tantas impressões gravadas em seu rosto cortadas com uma faca. Vindo de pais analfabetos, existe uma saída: a luta.

O sonho de Hollywood, no final de seus punhos

E foi graças à força de seus pulsos que “o filho do trapaceiro” ganhou uma bolsa de estudos na Universidade St Lawrence, onde

se tornou campeão nessa disciplina. Kirk então retornou à prestigiada Academia Americana de Arte Dramática.

No início dos anos 40, já com um diploma em mãos, ele se tornou ator da Broadway e um ano depois uniu-se à marinha. Casou-se em 1943, com sua primeira esposa, a atriz e modelo Diana Dill com quem teve seus filhos Joel e Michael. Assumiu depois, sucessivamente, dois papéis criados por Richard Widmark .

Mas foi por meio da atriz Lauren Bacall que as portas de Hollywood se abriram para ele. Mas foi com o filme Champion (1949), onde desempenha o papel de boxeador, com direção de Mark Robson, que recebeu sua primeira indicação ao Oscar de melhor ator.

A personificação do herói americano

Com seu físico vantajoso e seus papéis como personagens ocidentais ou soldados corajosos, Kirk Douglas se apresenta como um herói mítico do cinema americano. Foi finalmente com
o Spartacus peplum (1960), produzido por Stanley Kubrick, que ele se tornou o símbolo do herói de Hollywood.

Kirk também tinha um caráter forte e era sobretudo um sedutor. Foram muitas aventuras com as grandes atrizes de Hollywood: Marlene Dietrich, Gene Tierney ou Lana Turner. Depois de se divorciar de Diana Webster em 1951, ele se casou, três anos depois, com a belga-americana Anne Buydens. O amor de sua vida com quem ele terá dois filhos: o produtor Peter Vincent Douglas e o ator Eric Douglas, que morreu em 2004.

Desde um acidente vascular cerebral em 1996, aos 80 anos, ele teve problemas de fala e danificou os nervos faciais. Mas, ilustrando seu personagem, ele ainda participou duas semanas depois do Oscar, onde recebeu um Oscar honorário, o único em toda a sua carreira.

Aquele que, em 2016, comemorou seu centenário, agora se juntou aos imortais da 7a arte.

Tradução e edição: Analu Oliveira

Fontes:

Le Figaro

Le Parisién

Zero Hora/ Gaúcha