Maduros & Pets: uma relação de benefícios mútuos

Maduros & Pets: uma relação de benefícios mútuos

18 de Outubro de 2019 às 06:00

Que a presença de pets na vida dos longevos traz benefícios à saúde e ao bem-estar, disso ninguém duvida. Para entender um pouco mais deste universo, a Especialista de Inteligência de Produtos na Hercosul, Paula Genuíno, protagonizou a palestra “Pets e humanos que se amam, ajudando-se a viver melhor e por mais tempo”, durante a Longevidade Expo + Fórum.

Médica Veterinária com Mestrado em Clínica e Cirurgia pela UFMG, Paula explica que a relação do idoso com o pet é diferente da existente entre os bichinhos de estimação com pessoas mais jovens. “As pesquisas apontam que os longevos costumam adotar um pet para ter um companheiro de fato e combater a síndrome do ninho vazio. Nestes casos, os benefícios são diversos. Os maduros exercitam a memória, pois precisam lembrar de alimentar, tratar e cuidar dos animais. Ao mesmo tempo, ficam mais ativos, pois levam os pets para passear, para banho e tosa, para tratamentos variados”, enumera.

Porém, o fator mais relevante neste contexto talvez seja o da responsabilidade atribuída ao cuidador. “Eles voltam a se sentir úteis quando percebem que, de novo, uma vida frágil depende deles. E tudo isso regado a muito amor”, completa Paula. “Também serve para a socialização dos longevos, pois eles acabam se relacionando com outras pessoas que também têm animais de estimação, sejam elas maduras ou não”, completa.

A especialista lembra que existem pets adequados a cada perfil de cuidador. “Animais de grande porte, como cães de determinadas raças, não são aconselháveis para pessoas mais frágeis e de saúde debilitada, por exemplo. Por isso mesmo, os gatos são muito procurados pelos longevos, por sua natureza mais tranquila e por demandarem menos cuidados nas rotinas diárias”, finaliza.