MasterCare Brasil traz o cuidador domiciliar para o debate

Ator Alexandre Borges emociona audiência com relato sobre convivência com a mãe, em painel que contou com a  presença do médico geriatra e cofundador da empresa, Luiz Antônio Gil Jr.


No segundo dia da Maratona Digital da Longevidade Expo+Fórum, a MasterCare Brasil, healthtech com sistema de assinatura eletrônica que une longevos a cuidadores capacitados, apresentou uma pesquisa exclusiva sobre os profissionais envolvidos com o cuidado domiciliar do sênior e o impacto na dinâmica familiar. A pesquisa está disponível no site da MasterCare Brasil.

Para conversar sobre o assunto, a CEO da MVI Bank, consultora associada à FIPECAFI-FEA-USP e cofundadora da MasterCare Brasil, Márcia Vieira, ministrou o painel com a participação do médico geriatra do Hospital Sírio-Libanês e cofundador da MasterCare Brasil, Luiz Antônio Gil Jr., e do ator Alexandre Borges.

A cofundadora da MaterCare, Márcia Vieira, abriu a mesa relatando o desafio em preparar longevos e familiares para o cuidado domiciliar. “Não há como falar da longevidade sem falar de cuidado e o doutor Gil vai trazer a sua visão, da perspectiva médica, e o Alexandre Borges falará no papel de filho cuidador da dona Rosa Linda. Este painel é em homenagem a todos os longevos”, disse Marcia.

O ator Alexandre Borges contou que, pouco antes da pandemia de Covid-19, começou a cuidar de sua mãe, Rosa Linda Maria Borges, diagnosticada com Alzheimer. “O momento da inversão de papéis em uma família chega para todos. Na minha opinião, é uma retribuição ao carinho que nos foi dado. Para mim foi uma experiência rica e muito profunda; eu só tenho a agradecer”, relatou o ator.

O Dr. Luiz Antônio Gil Jr. lembrou da importância de capacitar os familiares para se prepararem para lidar e, eventualmente, cuidar de familiares longevos frágeis. Ele perguntou para Alexandre Borges como foi sua adaptação.

Quem não teve essa experiência de cuidador, ainda vai ter. Os idosos que necessitam de cuidados diários básicos aumentarão de 8 milhões para 30 milhões até 2050. Como foi, Alexandre, encarar isso de frente? Para ser um filho cuidador não há preparo, como foi isso pra você?”, perguntou o  geriatra.

Alexandre contou que sua mãe começou a desenvolver o Alzheimer aos 80 anos. “Há dois anos, quando fui visitá-la na cidade de Santos (SP), ela sofreu um infarto e um AVC (Acidente Vascular Cerebral), ambos silenciosos, e nesses exames identificou-se um princípio de Alzheimer. Por sorte, estava de férias e decidi cuidar da minha mãe. Procurei a assistência de profissionais, mas com a pandemia assumi esse papel de cuidador. Fui percebendo que é preciso respeitar os tempos, os costumes e as vontades daqueles que cuidamos. Temos que nos adaptar, porque somos nós que entramos no mundo desses indivíduos”.

O ator contou que, em determinado momento, teve que recorrer ao auxílio de cuidadores de idosos para sua mãe. “Ela teve uma queda e fraturou o fêmur. Tive a sorte de encontrar pessoas que cuidaram dela muito bem”, relembrou Alexandre Borges.

Uma das dificuldades nesses momentos é justamente encontrar profissionais treinados para a função de cuidadores. “É imprescindível treinar esse cuidador para que possa desempenhar essa função com cautela e eficiência. Na MasterCare Brasil, incentivamos a especialização e compartilhamos conhecimentos técnicos para fomentar um ecossistema saudável para os longevos”, descreveu o médico geriatra.

Márcia também destacou na MasterCare Brasil a preocupação de dar treinamento para os cuidadores, mas também de orientar e dar suporte às famílias que cuidam de longevos. “Queremos dizer aos filhos e netos que não estão sozinhos e chamar para o diálogo todos os envolvidos para criar um ambiente saudável, seguro e respeitoso”, explicou.

Acompanhe a íntegra do painel no canal da Longevidade Expo+Fórum no Youtube. Clique aqui.