Parceira da Longevidade Expo+Fórum, UNAI promove educação e integração

Sediada na cidade de Mogi das Cruzes (SP), a UNAI – Universidade Aberta à Integração – participa da Maratona Digital 2021, com seu portfólio de cursos voltados para a saúde mental e capacitação de longevos

 

O Longevidade Expo+Fórum reúne os melhores players do segmento sênior em seu evento. Mesmo com os desafios impostos pela pandemia da Covid-19, o maior evento direcionado ao público 50+ se adaptou, mantendo a mesma oferta de conteúdo exclusivo e experiências com empresas dedicadas ao público longevo, mas respeitando rigorosamente os critérios de segurança em vigor. 

Com os parceiros do evento não foi diferente. A UNAI – Universidade Aberta à Integração, faculdade voltada à capacitação técnica e emocional de longevos, superou as barreiras tecnológicas ao incentivar o desenvolvimento de seniores por meio da educação à distância.

A diretora da UNAI, Juraci Fernandes de Almeida, conta as expectativas para a Maratona Digital 2021 do Longevidade Expo+Fórum: “quero ver a discussão sobre a educação para os 50+ se fortalecer, enfatizando a importância da integração e da socialização viabilizada pelas iniciativas da academia”.

 

Continuidade do aprendizado

Juraci faz questão de enfatizar que as restrições impostas pela pandemia podem dificultar o processo, mas não impedem a continuidade do aprendizado dos alunos.

“A educação online para o público sênior é 100% possível e isso pode tirar os longevos do isolamento. Ajudamos o aluno que não tem familiaridade com a internet e conseguimos trazer este estudante para dentro da sala de aula, permitindo que ele saia do isolamento social”, pondera Juraci.

Em 1997, a universidade colocou em prática o curso de extensão da Universidade Brás Cubas, em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, com o objetivo de entrar em contato também com os familiares dos alunos.  Em 24 anos de atuação, a UNAI qualificou dezenas de longevos.

“A UNAI tem um curso composto por nove disciplinas, com três anos de duração, com o objetivo específico de promover a qualidade de vida no envelhecimento”, diz Almeida ao explicar a atuação da universidade.

Ao lecionar para o público 50+, Juraci Fernandes Almeida conta que aprendeu que as lições caminham em mão dupla.

“Há uma troca muito grande; quem leciona, mais aprende do que ensina, porque é um intercâmbio intenso entre o conhecimento que um professor passa e a sabedoria que o longevo adquire nas experiências da vida. Essa sabedoria do nosso aluno é colocada dentro da sala de aula e isso gera uma troca muito rica entre os próprios colegas de classe e o professor. É um trabalho muito gratificante, no qual percebemos mudanças no aluno  quanto aos projetos de vida que nutre”.